Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Forças de segurança dispersam protesto contra o governo do Líbano após explosão em porto de Beirute

Militares usaram gás lacrimogêneo contra manifestantes 2 dias depois de uma grande explosão no porto da capital que deixou mais de 150 de mortos e 5 mil feridos.

 
 -   /
/ /

As forças de segurança do Líbano usaram gás lacrimogêneo nesta quinta-feira (6) para dispersar dezenas de manifestantes que se reuniram próximo ao parlamento libanês em protesto pela explosão de terça no porto de Beirute. O protesto, contra o atual governo, acusa de corrupção os governantes.

  • Macron promete a moradores de Beirute que ajuda após explosão não irá para 'mãos corruptas'
  • Brasileira mostra destruição no bairro onde mora em Beirute, no Líbano

Segundo a agência oficial de informações do país (conhecida pela sigla NNA), os manifestantes teriam vandalizado lojas e jogado pedras nos agentes de segurança que reagiram e deixaram vários manifestantes feridos.

Protestos tomam as ruas de Beirute, no Líbano, após explosão que deixou 157 mortos

Protestos tomam as ruas de Beirute, no Líbano, após explosão que deixou 157 mortos

A disputa acontece às vésperas de uma grande manifestação contra o governo do Líbano, programada para acontecer no próximo sábado no país que enfrenta uma crise econômica sem precedentes. A estimativa inicial do governo de que é que a tragédia causou danos de US$ 3 bilhões (R$ 15,9 bilhões) a US$ 5 bilhões (R$ 26,5 bilhões).

Soldados do Exército libanês dispersam protesto perto do parlamento em Beirute — Foto: Mohamed Azakir/Reuters

Na terça (4), uma enorme explosão no porto de Beirute deixou pelo menos 157 mortos e 5 mil feridos. Nesta quinta, as escavadeiras do exército abriam estradas para ter acesso ao porto destruído. O país está sob estado de emergência.

Funcionários presos

Ao menos 16 funcionários do porto de Beirute e autoridades alfandegárias foram detidos no âmbito da investigação sobre as explosões de terça-feira de um depósito com toneladas de nitrato de amônio, informou nesta quinta um promotor militar.

São funcionários "do conselho de administração do porto de Beirute e da administração de alfândegas e encarregados de trabalhos de manutenção e (operários) que realizaram trabalhos no armazém" onde era guardado o nitrato de amônio, informou o promotor militar Fadi Akiki em um comunicado.

Manifestantes atearam fogo em entulhos durante um protesto perto do parlamento em Beirute — Foto: Mohamed Azakir/Reuters

Nitrato de amônio

O nitrato de amônio se apresenta como um pó branco ou em grânulos solúveis em água e é seguro - desde que não aquecido. A partir de 210 °C, decompõe-se e, se a temperatura aumentar para além de 290 °C, a reação pode tornar-se explosiva.

Um incêndio, tubos superaquecidos, fiação defeituosa ou relâmpagos podem ser suficientes para desencadear tal reação em cadeia.

Passo a passo mostra os detalhes da explosão em Beirute, no Líbano, que ocorreu na terça-feira (4) — Foto: Guilherme Luiz Pinheiro/G1

MEGAEXPLOSÃO EM BEIRUTE

  • Grande explosão atinge área portuária de Beirute; governo cita 'alto número de feridos'

  • VÍDEOS da explosão em Beirute, no Líbano

  • FOTOS da explosão em Beirute, no Líbano

  • Militares brasileiros estão bem e não há feridos, diz Marinha

  • Veja como era a região portuária de Beirute antes da explosão

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE