Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Russos e sauditas, primeiros afetados por novas sanções britânicas sobre direitos humanos

Dois generais birmaneses de alto escalão implicados na violência sistemática e brutal contra o povo Rohingya e outras minorias étnicas e duas organizações envolvidas em trabalho forçado, tortura e assassinato ocorrendo nos gulags da Coreia da Nort

 
 -   /
/ /

O governo do Reino Unido anunciou sanções contra 49 indivíduos e organizações nesta segunda-feira (6), como parte de um novo mecanismo estabelecido pelo Reino Unido para punir autonomamente as violações dos direitos humanos depois da sua saída da União Europeia em janeiro.

A lista de entidades cujos ativos serão congelados inclui 25 russos acusados da morte do advogado Sergey Magnitsky em 2009 e 20 sauditas suspeitos de envolvimento no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em Istambul em 2018, anunciou o ministro das Relações Exteriores Dominic Raab, ao Parlamento.

Foto de divulgação de Serguei Magnitsky, feita em 2006 — Foto: Divulgação/Hermitage Capital Management

Completando a lista estão dois generais birmaneses de alto escalão "implicados na violência sistemática e brutal contra o povo Rohingya e outras minorias étnicas" e "duas organizações envolvidas em trabalho forçado, tortura e assassinato ocorrendo nos gulags da Coreia da Norte", informou a chancelaria.

Especial Direitos Humanos - Direito à dignidade (Episódio 2)

Especial Direitos Humanos - Direito à dignidade (Episódio 2)

Com esse novo mecanismo de sanções, as autoridades britânicas pretendem "impedir que pessoas envolvidas em graves violações de direitos humanos entrem no Reino Unido, movimentando dinheiro por nossos bancos e se beneficiando de nossa economia", afirmou Raab.

O regime permitirá que o Reino Unido tenha como alvo pessoas e organizações em todo o mundo, ao contrário do regime convencional de sanções geográficas que apenas atinge um país.

É a primeira vez que Londres impõe sanções por violações de direitos humanos sob um regime exclusivamente britânico, após deixar oficialmente a UE em 31 de janeiro.

Esse novo sistema "permitirá que o Reino Unido trabalhe independentemente com aliados como Estados Unidos, Canadá, Austrália e União Europeia", afirmou Raab.

O regime de sanções britânico será aplicado "àqueles que facilitam, incitam, promovem ou apoiam essas violações, bem como àqueles que se beneficiam financeiramente de violações dos direitos humanos", afirmou o ministério em comunicado.

As sanções podem ter como alvo "aqueles que cometem assassinatos ilegais de jornalistas e trabalhadores da mídia, ou atos motivados por religião ou crença".

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE