Agricultura

Agricultura

Fechar
PUBLICIDADE

Bioinsumos

Produtos biológicos para soja movimentaram US$ 200 milhões

 

São Paulo (SP) – A comercialização de bioinsumos ou defensivos agrícolas biológicos para soja movimentou US$ 200 milhões na safra 2019-20, com crescimento de 30% na comparação ao ciclo anterior. Os dados são da sexta edição do estudo BIP Soja – Business Inteligence Panel, realizado anualmente pela consultoria Spark Inteligência Estratégica.

 

De acordo com o gerente de relações com clientes da Spark, engenheiro agrônomo Cristiano Limberger, 71% do montante total das vendas corresponderam a produtos para controle de pragas e doenças. Os inoculantes, empregados para fixação biológica de nitrogênio pela planta, atingiram 29% da comercialização.

 

Segundo a Spark, o BIP Soja 2019-20 contemplou mais de 3,5 mil entrevistas aplicadas na fronteira agrícola da oleaginosa, entre os meses de janeiro e maio deste ano. Limberger destaca que os biológicos vêm crescendo entre as preferências de manejo do produtor. Produtos específicos para nematoides, por exemplo, tiveram alta de 74% na comparação às últimas duas safras, para US$ 78 milhões. Em área tratada, o aumento foi de 79%, para 5,7 milhões de hectares.

 

Uma praga que incide sobretudo no Cerrado, o nematoide ataca à raiz da soja e, se não for controlado, causa perdas significativas às lavouras. “Biológicos também constituem ferramenta importante no MIP (manejo integrado de pragas) e transferem bons resultados agronômicos ao produtor, além de assegurar uma boa relação custo-benefício aos tratamentos”, diz o agrônomo.

 

Conforme Limberger, o aumento das vendas de bioinsumos também está relacionado ao manejo de resistência de pragas e doenças, prática que prevê o uso alternado de defensivos químicos e biológicos com diferentes modos de ação. “Os biológicos agregam bons resultados ao controle de ferrugem asiática, lagartas e percevejos.”

 

“Produtos biológicos contam com enorme potencial de crescimento. O estudo aponta a tendência de as empresas de agroquímicos integrar os bioinsumos a seu portfólio”, enfatiza Limberger. Ele lembra ainda que a adoção dos defensivos biológicos atingiu 21% da área cultivada com a oleaginosa no Brasil, totalizando 11,6 milhões de hectares tratados. 

 

Seis safras - A credibilidade e os diferenciais competitivos da Spark resultam de um intenso trabalho, em nível de campo, realizado nas últimas seis safras, envolvendo milhares de produtores-chave dos principais cultivos. A Spark reúne um amplo e diversificado acervo de informações quantitativas e qualitativas sobre os mercados de defensivos agrícolas e sementes. A consultoria já concluiu mais de 160 estudos especiais e 300 cotas de estudos painel. Nesse período, os profissionais da empresa aplicaram mais de 130 mil entrevistas e percorreram em torno de 4,5 milhões de quilômetros no território nacional.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE