Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Em reunião virtual com presença de representante da Europa, Paraguai passa presidência do Mercosul ao Uruguai

A pandemia de Covid-19 e a assinatura do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul dominaram a reunião.

 
 -   /
/ /

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, recebeu a liderança temporária do Mercosul do Paraguai durante um encontro da cúpula do bloco nesta quinta-feira (2).

Foi a primeira reunião de presidentes de dois líderes: o próprio Lacalle Pou e Alberto Fernández, da Argentina.

Além deles, também participaram Jair Bolsonaro, do Brasil, e Mario Abdo Benítez, do Paraguai, os outros dois países do Mercosul.

Macron diz que vai se opor a acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul

Macron diz que vai se opor a acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul

Josep Borrell, o titular de relações exteriores da União Europeia, também falou, como convidado, assim como os presidentes do Chile (Sebastián Piñera), da Bolívia (Jeanine Áñez) e da Colômbia (Ivan Duque).

Covid-19 e acordo com a União Europeia

Os temas que dominaram o encontro foram a luta ao Covid-19 e a possibilidade da assinatura do acordo econômico com a União Europeia.

O novo presidente do bloco, o uruguaio Lacalle Pou, pediu para que se assine o compromisso, cuja negociação levou anos de negociações.

Ele disse que, no meio da pandemia, a tendência é que os países se protejam e que isso pode derivar em protecionismo comercial também. "Por isso, nesses meses (em que ele será o líder) precisamos assinar com a União Europeia", afirmou.

Lacalle Pou disse que é preciso falar com sinceridade sobre a intenção de avançar nos acordos, e que a visão do uruguai é positiva. Ele fez uma menção explícita a um entendimento com a Coreia do Sul.

"Mas, insisto, é melhor não avançar se não estamos dispostos a avançar", repetiu.

O presidente argentino, Alberto Fernández, havia falado antes, e ressaltou em diversas ocasiões a importância para fortalecer mais o próprio bloco -ele chegou a usar o termo pátria grande, que é bastante empregado por parte da esquerda latino-americana-, mas não se alongou no tema do acordo com a União Europeia --que foi negociado pelo seu antecessor, Mauricio Macri.

Ele afirmou, no entanto, que a globalização está dada, e que seria bobagem ignorá-la.

Fernández disse mais de uma vez que "não pensa igual" a alguns dos outros presidentes do bloco, mas que ele os respeita por terem sido eleitos e que é preciso buscar um destino comum.

Europa participa de encontro do Mercosul

Borell, o representante da União Europeia, se disse honrado por participar do encontro. No começo de sua fala, disse que a América Latina não é tratada como prioridade pelos europeus, mas que é preciso mudar isso. A pandemia de Covid-19, afirmou, implicará a maior crise econômica desde a Segunda Guerra, e a saída será coletiva --daí, falou da importância de assinar o acordo de livre comércio com a Europa.

Ao falar do acordo, ele lembrou da importância de uma agenda de desenvolvimento ambientalmente sustentável --trata-se de uma prioridade para os europeus, afirmou.

Bolsonaro, que já havia se pronunciado antes, dizendo que trabalha para reverter uma visão que ele diz ser distorcida sobre as políticas do Brasil para a Amazônia.

No fim do mês passado, Emmanuel Macron, presidente da França, afirmou que tem uma agenda ambiental e que as negociações com Mercosul estavam interrompidas.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE