Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Dia Mundial da Higienização das Mãos: Hospital Metropolitano ressalta a importância da prática contra o novo coronavírus

 

As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos como vírus e bactérias

Na semana em que é celebrado o Dia Mundial da Higienização das Mãos (5/5), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), gerenciado pela Pró-Saúde em Ananindeua, ressalta a importância do ato, que é efetivo tanto para o controle de infecções como para a prevenção da transmissão de microrganismos, como o novo coronavírus.

Em tempos de pandemia, higienizar as mãos de forma adequada é uma importante arma de combate à propagação da doença, sendo uma das principais recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) na luta contra a doença. A prática, já comum em ambientes hospitalares, é também uma das Metas Internacionais de Segurança do Paciente.

No HMUE, a higienização das mãos é abordada durante todo o ano, por meio de ações educativas desenvolvidas pelo Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), setor de Humanização e Projetos Sociais, com intensificação das ações durante a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a coordenadora do SCIH da unidade, Silvia Luthemeier, higienizar as mãos, seja com álcool em gel 70% ou com água e sabão, é uma prática bastante efetiva. 'As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos, principalmente durante a assistência prestada aos pacientes. A pele é um possível reservatório de diversos vírus e bactérias que podem se transferir de um local para outro, por contato direto ou indireto, por meio de pessoas, objetos e superfícies contaminadas. A higiene das mãos é uma medida simples, econômica e muito efetiva para prevenir a propagação de doenças na comunidade', afirma a coordenadora de SCIH.

Ainda de acordo com Silvia, a simples higienização das mãos promove a remoção de sujeira, suor, oleosidade e microrganismos da pele, interrompendo a transmissão de infecções e auxiliando na prevenção da saúde. 'A higiene das mãos é uma das maneiras mais eficazes de garantir a nossa saúde e das pessoas que amamos', complementa a coordenadora.

No HMUE essa medida preventiva é parte das ações de segurança adotadas na unidade, por meio de treinamentos junto aos profissionais de saúde. No atual cenário, com a propagação da Covid -19, a higienização das mãos tem sido abordada de forma didática e lúdica, também com os pacientes. O objetivo é tornar as orientações de fácil compreensão, para atingir o maior número de pessoas possível.

'É importante fazermos orientações que atendam a todos os públicos. Uma atividade lúdica é uma forma eficiente para conscientizar todos. Nestas ações usamos diversos materiais como, por exemplo, purpurina, tinta guache, equipamentos de proteção, vídeos educativos, demonstrações com simulador de contaminação e luz negra nas mãos. Tudo que possa envolver o público e capacitar as pessoas quanto à importância de higienizar as mãos', destaca Roberta Cardins, coordenadora de Projetos Sociais.

Os profissionais do HMUE salientam ainda a importância de manter o hábito de higienizar as mãos frequentemente, mesmo após o controle da pandemia. 'As pessoas se tornaram mais conscientes com o cuidado das mãos. O álcool em gel pode ser utilizado na limpeza das mãos, mas a lavagem com água e sabão é fundamental, e é um hábito que deve ser mantido', complementa Ana Beatriz Santos, enfermeira do HMUE.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensora gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE