Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Alunos de Jundiaí SP levarão projeto de semáforo autônomo para principal torneio de robótica do país

Sistema consegue fazer reconhecimento facial do pedestre e permite que ele faça a travessia em segurança, com tempo programado

 
 -   /
/ /
ÁUDIOTEXTO PARA RÁDIOEquipe Heroes /  Arquivo PessoalJovens do SESI de Jundiaí apostam em semáforos autônomos na produção de energia para disputar o Torneio de Robótica FIRST LEGO League 2020. Atentos ao tempo para travessia dos sinais urbanos, os alunos resolveram criar um sistema que consegue fazer reconhecimento facial de um idoso ou de um cadeirante, por exemplo, e programar o tempo ideal e seguro de travessia. Com o projeto, os estudantes foram selecionados para a etapa nacional da competição, que será disputada entre os dias 6 e 8 de março, na capital São Paulo. 

Representante da equipe “Heroes”, Ana Clara Cavalcante, de 13 anos, explica que a inovação cria um instrumento de controle de tráfego, com um conjunto de ações que o tornam mais adaptado e seguro. Para a estudante, poder estar em contato com esse tipo de descoberta é abrir os horizontes para um futuro promissor. “Experiência que abriu várias portas e que foi bem diferente, além de acrescentar para mim como pessoa”, afirma. 

Segundo a jovem, uma nova geração está sendo preparada para o mercado de trabalho por meio da tecnologia. “A robótica incentiva os alunos a pensarem melhor e diferente para o futuro. Faz de nós pessoas melhores, com a capacidade de trabalhar em equipe. E ajuda a buscar sempre mais conhecimento com autonomia. Além disso, a robótica é o futuro”, completa Ana Clara.

O analista de informática e treinador da equipe, Rafael Capovila, conta ainda que o semáforo inteligente também é capaz de calcular a distância que falta para o ônibus chegar ao semáforo e, assim, retardar a abertura do sinal vermelho para aperfeiçoar o tempo do transporte público.

Para Rafael, é gratificante ver a empolgação dos meninos no desenvolvimento do projeto. “Muitos alunos não se interessam, têm dificuldade de integrar meninas, mas quando começam é gratificante ver o quanto gostam. Porque não envolve só robô, eles levam o conhecimento que adquirem em uma temporada para a vida toda”, revela o treinador.

Os tempos semafóricos de São Paulo foram observados pelo movimento Mobilize, durante a campanha “Calçadas do Brasil 2019”. Em praticamente todas as 27 capitais avaliadas, os pedestres têm que aguardar mais de dois minutos pela luz verde de abertura dos semáforos e atravessar rapidamente. Em alguns casos, a luz vermelha se acende novamente antes dos seis segundos. 

Robótica em sala de aula

O Torneio de Robótica FIRST LEGO League reunirá 100 equipes formadas por estudantes de 9 a 16 anos e promove disciplinas, como ciências, engenharia e matemática, em sala de aula. Nesta semana, de 13 a 16 de fevereiro, ocorrem as últimas etapas regionais que classificam para o nacional. 

O objetivo é contribuir, de forma lúdica, para o desenvolvimento de competências e habilidades comportamentais exigidas dos jovens. Em 2020, os competidores terão que apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético nas cidades e a acessibilidade de casas e prédios.
Para o supervisor técnico educacional do SESI São Paulo, Ivanei Nunes, a competição é um divisor de águas para os estudantes. “Provocá-los com problemas do mundo real – e problemas complexos – ajuda no desenvolvimento daquilo que esses jovens vão encontrar no futuro, quando eles estiverem indo para o mercado de trabalho”, avalia.  
 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE