Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

POLICIA

Delegacia de Crimes Cibernéticos alerta para riscos da Black Friday

 

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC) orienta consumidores e lojistas para os riscos da Black Friday, período de promoções de movimenta o comércio virtual no final do mês de novembro. Conforme explica a delegada titular, Sabrina Leles, a data representa uma grande oportunidade de bons negócios, mas também uma oportunidade para que cibercriminosos armados com malwares roubem dados pessoais e detalhes de pagamentos para obterem vantagens ilícitas.

Entre as orientações repassadas, a delegada orienta aos consumidores para que não sigam links enviados por estranhos via redes sociais. “Mesmo se o link vier de pessoa conhecida, cheque a procedência com esse seu contato”, orienta. Outra sugestão é acessar diretamente o site específico da loja, evitando links. “Verifique a reputação e os dados desta, bem como a possibilidade de confirmar o registro da compra via telefone do SAC da mesma. Caso a compra se dê via boleto, confira CNPJ, dados bancários e exija boleto registrado”, alerta.

Segundo a delegada, para fugir das armadilhas, é necessário que os usuários utilizem antivírus confiável, que seja eficiente para bloquear tentativas de redirecionar usuários para sites suspeitos e que capture malwares antes que esses possam se instalar na máquina. O ideal é que o usuário utilize seu dispositivo pessoal para as compras virtuais, evitando aparelhos compartilhados com estranhos. “Faça compras somente em sites seguros, buscando informações sobre a reputação da loja, através de sites como o ‘Reclame Aqui’ e em redes sociais”, completa Sabrina.

O comprador também deve verificar se o endereço eletrônico possui a presença do “HTTPS” e um cadeado ativado no canto esquerdo da barra de endereço do navegador, além da presença de certificados de segurança para realização de pagamentos nas transações bancárias realizadas com a empresa. Outro cuidado básico é checar a existência do CNPJ e um canal para acesso dos clientes (como um telefone SAC, através do qual se tiram dúvidas).

O lojista também deve ficar atento, com o golpe denominado “sequestro de estoque”, no qual alguém maliciosamente adquire centenas ou milhares de algum produto que esteja numa mega oferta, o que irá inviabilizar que a loja vendedora continue ofertando o produto para outros verdadeiros clientes, e então, o falso comprador opta por gerar um ou vários boletos bancários, mas nunca efetiva o pagamento.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE