Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Político pró-Pequim é esfaqueado durante campanha em Hong Kong

Junius Ho recebeu tratamento médico e foi liberado. Ele foi atingido por um manifestante contra a China, que também acabou ferido e foi preso, informou a polícia. Hong Kong tem protestos contra o governo chinês desde junho.

 
 -   /
/ /

Um político pró-Pequim foi esfaqueado em Hong Kong enquanto fazia campanha nesta quarta-feira (6), informou a polícia da cidade.

Junius Ho, que é membro do conselho legislativo local, teve um ferimento de 2 centímetros de profundidade, segundo ele mesmo relatou a repórteres. O político, que recebeu tratamento médico e já foi liberado, disse que a faca acabou sendo aparada por sua costela.

Um vídeo circulando nas mídias sociais mostra um homem dando flores a Ho e pedindo permissão para tirar uma foto com ele, segundo a Associated Press. Em vez de tirar a foto, entretanto, ele saca uma faca da bolsa e esfaqueia Ho no peito. Ele foi rapidamente dominado pelo próprio conselheiro e por outras pessoas.

O homem continuou lançando comentários abusivos contra Ho, chamando-o de "escória humana". Além do conselheiro, dois de seus assistentes e o próprio responsável pelo ataque ficaram feridos. O autor foi preso, de acordo com a polícia.

Manifestantes pró-China também foram às ruas no dia 29 de setembro, vestindo vermelho e carregando bandeiras chinesas. — Foto: Vincent Yu/AP Manifestantes pró-China também foram às ruas no dia 29 de setembro, vestindo vermelho e carregando bandeiras chinesas. — Foto: Vincent Yu/AP

Manifestantes pró-China também foram às ruas no dia 29 de setembro, vestindo vermelho e carregando bandeiras chinesas. — Foto: Vincent Yu/AP

Ho estava na mira de manifestantes contra Pequim desde 21 de julho, diz a AP. Naquela data, homens mascarados e armados, vestindo camisetas brancas, atacaram manifestantes pró-democracia e passageiros em uma estação de metrô de Hong Kong, ferindo 45 pessoas. Ho foi visto apertando a mão de alguns dos atacantes naquela noite.

O ataque marcou uma virada sombria nos protestos, que começaram no início de junho na cidade. Os manifestantes acusaram a polícia de demorar a responder ou até de conspirar com os agressores. A polícia disse, depois, que membros de gangues do crime organizado estavam envolvidos.

Ho, cujo círculo eleitoral inclui Yuen Long - onde fica a estação de metrô -, negou conluio com gangues. Ele disse que esbarrou nos homens depois do jantar e agradeceu por "defenderem suas casas", mas que não soube da violência até mais tarde.

Estudantes universitários pró-democracia levantam as mãos em sinal às cinco demandas do grupo durante protesto nesta quarta (6) na Universidade de Hong Kong. — Foto: Kin Cheung/AP Estudantes universitários pró-democracia levantam as mãos em sinal às cinco demandas do grupo durante protesto nesta quarta (6) na Universidade de Hong Kong. — Foto: Kin Cheung/AP

Estudantes universitários pró-democracia levantam as mãos em sinal às cinco demandas do grupo durante protesto nesta quarta (6) na Universidade de Hong Kong. — Foto: Kin Cheung/AP

Os manifestantes já haviam vandalizado o escritório de Ho várias vezes e profanado os túmulos de seus pais.

No ataque desta quarta (6), o conselheiro estava em campanha para as eleições distritais, de 24 de novembro, quando devem ser escolhidos 452 conselheiros. Atualmente, os assentos são dominados pelo bloco pró-establishment.

O ataque a ele despertou preocupações de que as pesquisas sejam adiadas. O maior partido pró-establishment da cidade manifestou, novamente, preocupações com a segurança, dizendo que houve 150 casos de seus candidatos sendo assediados e seus escritórios sendo vandalizados no último mês, informou a mídia local.

Ataques contra manifestantes

Manifestante é detido por policiais durante manifestação em Hong Kong neste sábado (2) — Foto: Thomas Peter/Reuters Manifestante é detido por policiais durante manifestação em Hong Kong neste sábado (2) — Foto: Thomas Peter/Reuters

Manifestante é detido por policiais durante manifestação em Hong Kong neste sábado (2) — Foto: Thomas Peter/Reuters

Além de Ho, também houve ataques a figuras pró-democracia. No domingo (3) à noite, um homem com uma faca cortou parte da orelha do vereador Andrew Chiu e feriu duas pessoas. Jimmy Sham, líder de um dos maiores grupos pró-democracia da cidade, foi atacado no mês passado por agressores que usavam martelos.

Nesta quarta (6), centenas de estudantes de duas universidades se uniram em apoio a um homem de 22 anos que está no hospital depois de cair do andar superior de um prédio de estacionamento quando a polícia disparou gás lacrimogêneo em confrontos na segunda (4).

Investigações policiais estão em andamento para determinar o que aconteceu no caso.

Desafio à liberdade, diz líder

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, em entrevista coletiva nesMark Schiefelbeinta quarta (6). — Foto: Mark Schiefelbein/AP A líder de Hong Kong, Carrie Lam, em entrevista coletiva nesMark Schiefelbeinta quarta (6). — Foto: Mark Schiefelbein/AP

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, em entrevista coletiva nesMark Schiefelbeinta quarta (6). — Foto: Mark Schiefelbein/AP

Em entrevista coletiva nesta quarta em Pequim, para encerrar sua visita à China continental, a líder de Hong Kong, Carrie Lam, condenou o ataque a Ho e disse estar preocupada com o aumento da violência nos protestos.

"Como os manifestantes que praticam atos violentos alegam estar buscando liberdade e democracia? Cada ato deles desafia a liberdade e viola os direitos da maioria do povo de Hong Kong", disse Lam.

Lam, que já havia conversado com o vice-primeiro-ministro, Han Zheng, disse estar agradecida pelo apoio da liderança chinesa durante sua viagem e prometeu fazer cumprir rigorosamente a lei para restaurar a ordem. Ela também se encontrou com o presidente chinês, Xi Jinping, em Xangai na segunda (4) - o que foi visto como um endosso ao tratamento da crise por seu governo.

"As atividades violentas realizadas por forças separatistas radicais foram muito além do limite da lei e da ética", disse Han Zheng. "O trabalho mais importante para a sociedade de Hong Kong agora é parar a violência e restaurar a ordem".

O Ministério das Relações Exteriores da China rejeitou, recentemente, um relatório que dizia que Pequim planejava substituir Lam no próximo ano. Mas o Partido Comunista disse em comunicado na terça (5) que "aperfeiçoaria" o sistema para nomear e demitir o líder e as principais autoridades de Hong Kong, em uma indicação de maior firmeza no território. Nenhum detalhe foi dado.

Muitos viram um projeto de extradição para a China, agora arquivado e que desencadeou os protestos, como um sinal de Pequim violando as liberdades judiciais de Hong Kong e outros direitos garantidos quando a ex-colônia britânica foi devolvida à China em 1997.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE