Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

O espião israelense que se infiltrou no governo sírio e inspira nova série na Netflix

Como agente secreto do Mossad, o serviço de inteligência de Israel, Eli Cohen conseguiu a proeza de angariar informações valiosas sobre a Síria - até ser flagrado em operação e executado.

 
 -   /
/ /

Atenção: este texto contém spoilers

Em uma das primeiras cenas da minissérie 'O Espião', que acaba de estrear na Netflix, Eli Cohen, interpretado pelo ator britânico Sacha Baron Cohen (não há parentesco entre os dois), aparece em uma cela de prisão com os dedos das mãos ensanguentados e as unhas arrancadas. A seu lado, um rabino.

Correndo contra o tempo, Cohen screve uma carta endereçada à mulher, Nadia, mas titubeia na hora de assinar seu próprio nome.

Essa hesitação momentânea se deve ao fato de que, nos quatro anos anteriores, Cohen escondeu de todos à sua volta sua verdadeira identidade.

Até ser desmascarado pela inteligência síria, em janeiro de 1965, ele foi Kamal Amin Ta'abet, um magnata filho de pais sírios que se infiltrou no seleto círculo militar e na alta sociedade de Damasco a ponto de virar confidente de membros do governo e ser cogitado para o cargo de vice-ministro da Defesa do país.

Cohen nunca chegou a ocupar o posto - seu disfarce foi descoberto pouco antes. Ele foi julgado e enforcado em praça pública. E seus restos mortais nunca foram devolvidos à sua família.

Mas sua contribuição como agente secreto do Mossad, o serviço de inteligência de Israel, é até hoje lembrada.

Muitos consideram seu trabalho como vital para assegurar a vitória de Israel na Guerra dos Seis Dias (1967), travada com países árabes. Os israelenses consideram Cohen um herói nacional - e um dos maiores espiões da história do país.

Cohen foi rejeitado duas vezes antes de ser finalmente recrutado — Foto: Wikicommons Cohen foi rejeitado duas vezes antes de ser finalmente recrutado — Foto: Wikicommons

Cohen foi rejeitado duas vezes antes de ser finalmente recrutado — Foto: Wikicommons

O começo

O enredo da minissérie da Netflix tem como ponto de partida o recrutamento de Cohen pelo Mossad. Ele trabalhava como contador e já havia sido rejeitado pela agência duas vezes.

Essa história é verdadeira, mas o que a minissérie não mostra é que Cohen não era um novato na área. Na verdade, ele já havia passado por um treinamento de espionagem intenso antes disso.

Cohen nasceu em Alexandria, no Egito, de pais judeus sírios de Aleppo. Em 1949, seus pais e três irmãos decidiram se mudar para Israel, mas ele havia decidido permanecer no Egito para coordenar ativistas sionistas.

Em 1953, espiões judeus egípcios foram flagrados em operação e alguns deles acabaram enforcados. Uma pequena parte deles foi libertada 14 anos depois, depois da Guerra dos Seis Dias.

Apesar de Cohen não estar diretamente envolvido com o grupo, ele mantinha atividades pró-Israel e era frequentemente questionado por isso pelos serviços de inteligência do Egito.

Dois anos depois, no verão de 1955, Cohen deixou o Egito rumo a Israel para ser treinado como espião. Seu treinamento ocorreu, coincidentemente, nas mesmas instalações onde os espiões presos no Egito receberam o devido preparo.

Ele voltou para o Egito em 1956, mas foi imediatamente considerado suspeito e passou a ser monitorado.

No início da Guerra de Suez (1956), travada entre Israel e Egito ? quando Israel ocupou o Sinai ? Cohen foi detido pelas autoridades egípcias e expulso do país ao fim do conflito, junto com outros poucos judeus que restaram em Alexandria. Ele chegou a Israel em 8 de fevereiro de 1957.

Cohen se candidatou, então, a uma vaga como agente do Mossad, mas foi rejeitado duas vezes. Segundo documentos oficiais, a agência concluiu que ele tinha "um QI alto, notável coragem, memória fenomenal e habilidade de manter segredos", mas, "apesar de sua aparência modesta, era extremamente vaidoso e tinha muito conflito interno".

Para o Mossad, Cohen "nem sempre" avaliava "o perigo corretamente" e era "suscetível a assumir riscos além do necessário".

Em 1959, Cohen se casou com Nadia Majald, uma judia iraquiana. Naquela época, trabalhava como contador, mas o emprego era intermitente.

Cohen conseguiu criar laços de amizade com autoridades do alto escalão do governo sírio — Foto: Wikicommons Cohen conseguiu criar laços de amizade com autoridades do alto escalão do governo sírio — Foto: Wikicommons

Cohen conseguiu criar laços de amizade com autoridades do alto escalão do governo sírio — Foto: Wikicommons

Recrutamento

Um ano depois, no entanto, houve uma reviravolta na vida de Cohen.

Cada vez mais preocupado com a Síria, especialmente por causa do aumento de tensão na fronteira, Israel passa a buscar um agente que possa se infiltrar no alto escalão do governo do país vizinho.

As Colinas de Golã eram um dos principais motivos de preocupação de Israel. Dali, o governo sírio disparava morteiros contra assentamentos judeus.

Mas a região, que viria a ser ocupada por Israel em 1967, quase no fim da Guerra dos Seis Dias, não tinha importância só militar.

Dali vêm 30% das fontes de água de Israel. Três dos principais afluentes do rio Jordão têm origem na região. Com o objetivo de privar Israel desses recursos, os vizinhos árabes decidiram desviar as fontes do rio.

A Síria contratou engenheiros hidráulicos e comprou equipamentos para colocar o plano em prática. Além disso, havia uma crescente parceria técnica dos soviéticos com o país.

Neste sentido, Cohen voltou a entrar no radar do Mossad. Ele falava árabe fluentemente, além de inglês e francês. Também era considerado "destemido".

Diferentemente do que foi retratado na minissérie, contudo, Cohen recusou a oferta de trabalho da agência quando voltou a ser procurado. Mas, dentro de um mês, perdeu seu emprego como contador. Acabou, assim, aceitando a vaga quando foi novamente sondado.

Cohen aprendeu, então, técnicas de direção evasiva de alta velocidade, manejo de armas, topografia, leitura de mapas, sabotagem, e, principalmente, transmissões de rádio e criptografia.

Um dos maiores desafios para o espião foi aprender a melodia intrincada e inconfundível do árabe sírio, uma vez que seu sotaque egípcio, antes de passar por treinamento, era inegável. Seu instrutor foi um judeu iraquiano que já havia treinado outros espiões.

Sacha Baron Cohen interpreta o agente Eli Cohen em nova minissérie da Netflix — Foto: Wikicommons Sacha Baron Cohen interpreta o agente Eli Cohen em nova minissérie da Netflix — Foto: Wikicommons

Sacha Baron Cohen interpreta o agente Eli Cohen em nova minissérie da Netflix — Foto: Wikicommons

Vida como Kamal Amin Ta'abet

Cohen ganhou então uma nova identidade: Kamal Amin Ta'abet, nascido no Líbano e filho de pais sírios. Para consolidar seu disfarce, ele foi enviado a Buenos Aires, na Argentina, em 1961, onde se apresentava como um magnata do setor têxtil e um patriota convicto, com o desejo de retornar à Síria.

Ali, Cohen fez vários contatos com figuras importantes da comunidade dos expatriados, incluindo diplomatas e militares da embaixada síria. Enquanto isso, sua mulher pensava que ele trabalhava no Ministério da Defesa.

Uma dessas figuras - que se provaria de extrema importância algum tempo depois - foi o coronel Amin Al-Hafaz, um apoiador do Partido Social Árabe Ba'ath e adido militar na Embaixada da Síria em Buenos Aires.

Em fevereiro de 1962, Cohen finalmente chegou a Damasco. O Partido Ba'ath estava chegando ao poder e Cohen queria estar no país quando isso acontecesse. Cuidadosamente, ele cultivou amizades com a liderança do Ba'ath, incluindo com Al-Hafaz.

Cohen seguiu mantendo uma vida social ativa, frequentando cafés e restaurantes, onde ouvia todo tipo de fofoca política. Também fazia festas suntuosas em seu apartamento frequentadas por figuras do alto escalão do país - que não raro terminavam em orgias. Muitos inclusive chegavam a pedir as chaves do imóvel para encontros com amantes.

Nessas festas, falavam livremente sobre informações sigilosas. Cohen se tornou confidente de muitos deles, dando-lhes empréstimos em dinheiro e conselhos políticos.

Cohen tampouco se manteve imune às investidas das mulheres. Diferentemente do que foi retratado pela minissérie, não se mantinha totalmente fiel à mulher - talvez pela necessidade de manter sua identidade preservada.

Cohen se tornou o solteiro mais cobiçado de Damasco, chegando a ter 17 amantes, todas egressas de famílias envolvidas com os altos escalões de poder na Síria. Assim como a inteligência israelense, ele esperava que essas mulheres pudessem ajudá-lo a escapar em um momento de crise.

Com o passar do tempo, o espião se tornou muito próximo de George Saif, que ocupava um posto importante no Ministério da Informação.

O nível de confiança era tanto que um dia Cohen estava sentado no gabinete de Saif lendo um documento confidencial enquanto Saif falava ao telefone.

Sem anunciar sua chegada, uma autoridade síria entra no recinto e se surpreende com a cena, interpelando Saif. Ele responde, calmamente: "Não há nada com que se preocupar. Ele é um amigo confiável".

Quando o Partido Ba'ath tomou o poder, em 1963, Cohen já estava entranhado na alta sociedade síria. Ele seguia transmitindo informações valiosas às autoridades israelenses por meio de um radiotransmissor que escondia em seu quarto.

Periodicamente, Cohen retornava a Israel tanto para conversas com seus superiores quanto para visitar sua mulher e seus filhos pequenos. Entre 1962 e 1965, ele voltou a Israel três vezes.

Visita à base militar e plantação de eucaliptos

Um dos principais destaques de sua atuação como espião foi quando Cohen, graças a sua boa rede de contatos, conseguiu fazer uma visita à base militar da Síria nas Colinas de Golã, de importância estratégica.

A localização exata da base era ultrassecreta e seu acesso, restrito somente a militares. Cohen sugeriu, então, que se plantassem árvores - eucaliptos - para iludir os israelenses a pensar que não havia nenhuma fortificação ali, além de fornecer sombra aos soldados.

Foi com base justamente na posição dessas árvores que Israel conseguiu saber com precisão onde se localizavam as instalações militares do vizinho, o que facilitaria a ocupação da região em 1967.

Temor

A amizade com Amin Al-Hafez se provou valiosa. Depois que Hafez se tornou primeiro-ministro, chegou a ser aventada a possibilidade de Cohen ocupar a vaga de vice-ministro sírio da Defesa.

Mas a Síria adentrava um período de extrema turbulência interna. As mudanças no governo passaram a preocupar Cohen. Além disso, o chefe do serviço de inteligência da Síria, coronel Ahmed Su'edani, que conheceu durante a temporada de Buenos Aires, nunca simpatizou com ele.

Em sua última visita a Israel, em novembro de 1964, Cohen chegou a expressar seu temor e sua vontade de encerrar a missão. Mas o Mossad pediu que ele voltasse à Síria mais uma vez.

Afinal, as informações que ele fornecia eram muito importantes - assim como a oportunidade única de ter um infiltrado dentro do governo sírio como vice-ministro da Defesa.

De fato, Cohen voltou à Síria, mas seu comportamento mudou. Ele se tornou menos cuidadoso em suas transmissões a Israel, transmitindo uma ou duas vezes por dia e quase sempre no mesmo horário, às 8h30.

Flagrante e execução

Um clima de extrema desconfiança se espalhou por todas as instâncias do governo sírio. Havia forte suspeita de que informações sigilosas estavam sendo vazadas.

Com a ajuda de especialistas de segurança, munidos de equipamentos de inteligência de última geração, os sírios conseguiram rastrear de onde vinham as transmissões: o apartamento de Cohen.

Em janeiro de 1965, agentes sírios invadiram o local e flagraram o espião no meio de uma transmissão. O principal artífice por trás dessa empreitada foi, coincidentemente, o chefe do serviço de inteligência, Ahmed Su'edani, seu desafeto de longa data.

Cohen foi, então, preso e torturado, mas se negou a dar informações sobre Israel.

Seguiu-se a partir daí um clamor mundial por sua soltura, envolvendo líderes mundiais, o governo de Israel e até o papa Paulo 6º. Mas nada adiantou - seu destino já estava traçado.

Em 18 de maio de 1965, Cohen foi enforcado em praça pública. Antes, escreveu uma carta à mulher, Nadia. O enforcamento foi transmitido pela TV síria.

Depois da execução, seu corpo foi coberto por uma placa com dizeres antissionistas e deixado exposto por seis horas.

Desde então, sua família reivindica ao governo sírio o retorno de seus restos mortais a Israel, mas sem sucesso.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE