Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Terrorista em fuga cometeu atentado perto de Universidade de Cabul

O objetivo do autor do atentado não era explodir a universidade, mas, no meio da fuga, ele detonou explosivos na estrada.

 
 -   /
/ /

Um homem-bomba que escapava da polícia em um veículo carregado de explosivos cometeu um atentado perto da Universidade de Cabul, na capital do Afeganistão nesta sexta-feira (19).

Ele matou ao menos nove pessoas e feriu outras 33.

"A informação inicial mostra que o objetivo do ataque não era a universidade; o veículo estava sendo perseguido pela polícia e o agressor foi forçado a detoná-lo na estrada", afirmou o porta-voz da polícia de Cabul, Firaraws Faramarz.

O ataque ocorreu às 7h10 (hora local), perto da entrada sul da universidade.

Segundo o porta-voz, está claro que foi um ataque suicida. Se não fosse pela pressão das forças de segurança, que impediram o insurgente de atingir o alvo de seu ataque, poderia ter sido mais mortal.

"Ainda investigamos quem pode estar por trás do ataque e qual era o objetivo", disse Faramarz.

Entre as vítimas há um policial

O número de vítimas agora é de nove, incluindo o agressor, e o de feridos está em 33, de acordo com o último balanço fornecido em um comunicado do porta-voz do Ministério da Saúde Pública, Wahidullah Mayar.

Em comunicado posterior, o Ministério do Interior afegão explicou que entre as vítimas há um policial de trânsito e o resto das vítimas são civis, acrescentando que, de acordo com as informações iniciais, o dispositivo explosivo estava preso a um carro.

Até o momento nenhum grupo insurgente reivindicou a autoria do atentado.

O último grande ataque em Cabul ocorreu no dia 1º deste mês, quando pelo menos 11 pessoas foram mortas e 65 ficaram feridas, incluindo nove crianças, em uma operação do Talibã com bomba e um posterior tiroteio a um edifício do Ministério da Defesa.

Esse atentado aconteceu no meio das conversas entre uma delegação talibã e representantes dos Estados Unidos, no Catar, na sétima rodada de reuniões sobre negociações de paz para o Afeganistão.

Os dois lados buscam uma saída para quase duas décadas de conflito armado no país asiático, embora, até agora, os talibãs tenham se recusado a sentar-se à mesma mesa com o governo afegão.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE