Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Ataque de mísseis deixa dezenas de feridos em aeroporto da Arábia Saudita

O míssil atingiu o saguão de desembarque do aeroporto, que é usado em rotas domésticas e regionais, e deixou 26 pessoas feridas. Grupo houthi, do Iêmen, reivindicou a autoria.

 
 -   /
/ /

Um ataque de mísseis comandado por forças houthis iemenitas nesta quarta-feira (12) ao aeroporto de Abha, na Arábia Saudita, deixou 26 feridos, informou a agência de notícias Reuters.

Entre os atingidos estão três mulheres e duas crianças, de nacionalidades saudita, iemenita e indiana, disseram as autoridades. Oito pessoas foram hospitalizadas e as outras têm machucados leves.

O reino árabe e os rebeldes houthis são adversários no conflito do Iêmen, que começou há cerca de 5 anos e já causou uma crise humanitária no país. Os houthis são, por sua vez, alinhados com o Irã.

O conflito no Iêmen já causou uma crise humanitária no país. Na foto, uma paciente com cólera recebe atendimento na cidade de Islim, no noroeste do país, no dia 9 de junho. — Foto: Eissa Alragehi/Reuters O conflito no Iêmen já causou uma crise humanitária no país. Na foto, uma paciente com cólera recebe atendimento na cidade de Islim, no noroeste do país, no dia 9 de junho. — Foto: Eissa Alragehi/Reuters

O conflito no Iêmen já causou uma crise humanitária no país. Na foto, uma paciente com cólera recebe atendimento na cidade de Islim, no noroeste do país, no dia 9 de junho. — Foto: Eissa Alragehi/Reuters

Para a coalizão militar liderada pelos sauditas no Iêmen, o ataque de quarta (12), que poderia vir a ser um crime de guerra, provou o apoio do Irã ao que chamou de terrorismo através das fronteiras. Em comunicado, afirmou que vai responder de forma "firme" ao ato.

"Este ataque também prova que a milícia terrorista adquiriu novas armas especiais, [além de provar] o contínuo apoio e a prática do terrorismo transfronteiriço pelo regime iraniano", disse o comunicado.

A autoria do ataque foi reivindicada pelos houthis em seus canais de mídia. O Irã não se pronunciou imediatamente. O país persa recebe, nesta quarta-feira, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que tenta mediar as tensões no Golfo entre iranianos e os Estados Unidos.

Placa para o aeroporto de Abha, no sudoeste da Arábia Saudita, que foi atingido por um míssil nesta quarta-feira (12). — Foto: AFP Placa para o aeroporto de Abha, no sudoeste da Arábia Saudita, que foi atingido por um míssil nesta quarta-feira (12). — Foto: AFP

Placa para o aeroporto de Abha, no sudoeste da Arábia Saudita, que foi atingido por um míssil nesta quarta-feira (12). — Foto: AFP

De acordo com o comunicado da coalizão, o míssil atingiu o saguão de desembarque do aeroporto, que é usado em rotas domésticas e regionais e fica a cerca de 200km da fronteira da Arábia Saudita com o Iêmen.

O tráfego aéreo funciona normalmente, segundo informou à Reuters o órgão de aviação civil do reino árabe.

Já o centro de mídia houthi afirmou que o míssil destruiu a torre de controle. O porta-voz da coalizão não respondeu imediatamente a um pedido de comentário e a Reuters não pôde verificar a alegação de forma independente.

Aeroporto de Abha, na Arábia Saudita. — Foto: AFP Aeroporto de Abha, na Arábia Saudita. — Foto: AFP

Aeroporto de Abha, na Arábia Saudita. — Foto: AFP

Um porta-voz militar do grupo iemenita disse que o ataque de quarta (12) foi uma resposta aos "crimes" da coalizão contra o Iêmen. "Os sistemas americanos mais modernos não conseguiram interceptar o míssil", afirmou em comentários feitos pelo centro de mídia do grupo.

  • Guerra no Iêmen: o ano novo incerto da pior crise humanitária do planeta

Na terça-feira (11), também por meio de um porta-voz, o grupo rebelde iemenita afirmou que atacaria todos os aeroportos da Arábia Saudita — e que os próximos dias revelariam "grandes surpresas".

Embates

Apoiadores do movimento houthi, no Irã, rezam pelo Eid al-Fitr, que marca o fim do mês sagrado do Ramadã, em Sana'a, capital do Iêmen, no dia 5 de junho. — Foto: Mohamed al-Sayaghi/Reuters Apoiadores do movimento houthi, no Irã, rezam pelo Eid al-Fitr, que marca o fim do mês sagrado do Ramadã, em Sana'a, capital do Iêmen, no dia 5 de junho. — Foto: Mohamed al-Sayaghi/Reuters

Apoiadores do movimento houthi, no Irã, rezam pelo Eid al-Fitr, que marca o fim do mês sagrado do Ramadã, em Sana'a, capital do Iêmen, no dia 5 de junho. — Foto: Mohamed al-Sayaghi/Reuters

Os houthis já atacaram cidades sauditas com drones e mísseis, a maioria dos quais foi interceptada. Em março de 2018, um egípcio foi morto em Riad, na Arábia Saudita, por estilhaços de mísseis.

O porta-voz houthi não respondeu de forma imediata, entretanto, quando questionado se o projétil desta quarta-feira (12) havia sido interceptado pelos mísseis Patriot da Arábia Saudita antes de atingir o aeroporto.

  • Entenda a crise nuclear do Irã em 355 palavras

A aliança liderada pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos interveio no Iêmen em 2015 para tentar restaurar o governo internacionalmente reconhecido que foi expulso do poder na capital, Sana'a, pelos houthis no final de 2014. Outros países, como Egito e Bahrein, também fazem parte da coalizão. Ambos manifestaram apoio aos sauditas nesta quarta-feira (12).

O rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz. — Foto: Bandar Algaloud/Courtesy of Saudi Royal Court/Handout via Reuters O rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz. — Foto: Bandar Algaloud/Courtesy of Saudi Royal Court/Handout via Reuters

O rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz. — Foto: Bandar Algaloud/Courtesy of Saudi Royal Court/Handout via Reuters

O ataque ocorreu em meio a um cenário de alta tensão entre os Estados Unidos e o Irã, depois da decisão de Washington de endurecer as sanções contra Teerã e reforçar sua presença militar no Golfo.

No mês passado, dois ataques de drones armados atingiram estações de petróleo da Arábia Saudita, que foram reivindicadas pelos houthis. A Arábia Saudita acusou o Irã de ordenar o ataque — mas Teerã e os rebeldes negam.

A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo — Foto: AFP A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo — Foto: AFP

A Arábia Saudita é o maior exportador de petróleo do mundo — Foto: AFP

O conflito é amplamente visto na região como uma guerra indireta entre a Arábia Saudita e o Irã. Os houthis negam ser marionetes do país persa e dizem que sua revolução é contra a corrupção.

A escalada da violência pode ameaçar uma frágil iniciativa de paz liderada pela ONU na cidade portuária de Hudeida, no Iêmen, que administra a maior parte das importações comerciais e de ajuda ao país empobrecido e é uma tábua de salvação para milhões de iemenitas.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE