Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Chefe de milícia que detém imigrantes ilegais na fronteira dos EUA com o México é preso

Autoridades prenderam Larry Hopkins por porte ilegal de armas. Milícia que ele comanda teria detido 5,6 mil imigrantes e planejava, segundo FBI, matar o ex-presidente Barack Obama.

 
 -   /
/ /

Autoridades norte-americanas prenderam no sábado (20) o líder de um grupo armado responsável por deter imigrantes ilegais que cruzam a fronteira do México para os Estados Unidos. Larry Hopkins, líder do grupo Patriotas Constitucionais Unidos (UCP), foi preso em uma investigação sobre porte de armas que acabou por levar à tona a ação da milícia.

Segundo a agência Reuters, os integrantes do grupo usam uniformes semelhantes aos militares para abordar os imigrantes, principalmente no estado norte-americano do Novo México. Armados, eles detêm os grupos até a chegada dos oficiais de fronteira.

Autoridades americanas prendem chefe de grupo armado que atua na fronteira com o México

Autoridades americanas prendem chefe de grupo armado que atua na fronteira com o México

Foto de arquivo mostra patrulha na fronteira dos EUA com o México no estado norte-americano do Novo México — Foto: Christian Torres/AP Photo/Arquivo Foto de arquivo mostra patrulha na fronteira dos EUA com o México no estado norte-americano do Novo México — Foto: Christian Torres/AP Photo/Arquivo

Foto de arquivo mostra patrulha na fronteira dos EUA com o México no estado norte-americano do Novo México — Foto: Christian Torres/AP Photo/Arquivo

Os líderes dos UCP afirmam ter ajudado as autoridades fronteiriças dos Estados Unidos a deterem cerca de 5,6 mil imigrantes em apenas 60 dias. O grupo diz que a presença de dois meses na fronteira visa apoiar a Patrulha de Fronteira dos EUA, que está sobrecarregada por números recordes de famílias centro-americanas em busca de asilo.

A ONG União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), que denunciou o grupo, apresentou às autoridades norte-americanas uma comunidade atribuída aos UCP nas redes sociais. Na página, uma usuária identificada como Debbie Collins Farnsworth publicou fotos de que ela diz serem de brasileiros detidos.

O Itamaraty disse que o Consulado do Brasil em Houston, no Texas, está a par da situação. Porém, o governo brasileiro não recebeu nenhum relato relacionado às milícias envolvendo brasileiros.

Plano para matar Obama

Barack Obama — Foto: Reuters Barack Obama — Foto: Reuters

Barack Obama — Foto: Reuters

De acordo com autos apresentados nesta segunda-feira (22), testemunhas acusaram Larry Hopkins de dizer que os UCP planejavam assassinar Barack Obama, ex-presidente dos Estados Unidos. Segundo o FBI, a ex-candidata presidencial Hillary Clinton e o magnata George Soros.

Apesar de a prisão de Hopkins estar relacionada a uma acusação de porte de armas – a Justiça dos EUA o havia proibido de portar armamento –, ele foi detido apenas um dia depois de a governadora democrata do Novo México, Michelle Lujan Grisham, ordenar uma investigação do grupo. Nas redes sociais, ela disse que "intimidar ou ameaçar famílias imigrantes e postulantes a asilo é absolutamente inaceitável e precisa cessar".

Migrantes fazem fila para pedir asilo nos EUA no domingo (21) — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters Migrantes fazem fila para pedir asilo nos EUA no domingo (21) — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters

Migrantes fazem fila para pedir asilo nos EUA no domingo (21) — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters

Vestidos com roupas que lembram uniformes militares e portando armas, os UCP aparecem em vídeos disseminados pelo próprio grupo dizendo a grupos de imigrantes, incluindo mulheres e crianças, que às vezes chegam às centenas, para pararem e esperar agentes de imigração.

Críticos como a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) acusam os UCP de serem justiceiros que detêm e sequestram imigrantes ilegalmente se passando por forças da lei.

Na semana passada, os sites de financiamento coletivo PayPal e GoFundMe proibiram o grupo, citando diretrizes de rejeição à difusão do ódio ou da violência, depois que a CLU classificou o UCP como uma "milícia fascista".

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE