Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Em Santarém, campanha de vacinação contra gripe H1N1 começa nesta segunda-feira

Meta é vacinar 93 mil pessoas até o término da campanha, no dia 31 de maio. Confira quem faz parte do grupo prioritário.

 
 -   / - G1  / FolhaPA
/ - G1 / FolhaPA / - G1 / FolhaPA

A partir da tarde de segunda-feira (8), Santarém, no oeste do Pará, começa oficialmente a campanha contra a gripe Influenza A/H1N1. As doses da vacina estarão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde das zonas urbana e rural município até o dia 31 de maio, quando a campanha se encerra. Já as Unidades da região de rios estarão recebendo as vacinas de acordo com os dias de viagens de embarcações, já que o acesso a elas só é possível por meio fluvial.

A campanha estava, inicialmente, prevista para começar apenas na segunda metade de abril, mas no mês passado a Prefeitura de Santarém solicitou à Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) a antecipação da vacinação, por conta do surto de casos de Influenza que ocorre no Amazonas. O Dia D da campanha será realizado no dia 4 do mês que vem.

"Já recebemos mais de 90 mil doses da vacina contra a gripe para a vacinação dos grupos prioritários. Nossa meta é vacinar 93 mil pessoas até o término da campanha, que vai até 31 de maio", explicou a coordenadora do setor de imunização da Divisão de Vigilância em Saúde (Divisa), Edna Gadelha.

O grupo prioritário que deve ser vacinado durante a campanha compreende: crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade gestantes, mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias, pessoas com mais de 60 anos, profissionais da saúde, professores da rede pública e particular, população indígena, portadores de doenças crônicas (diabetes, asma e artrite reumatoide), indivíduos imunossuprimidos (pacientes com câncer que fazem quimioterapia e radioterapia), portadores de trissomias (síndromes de Down e de Klinefelter), pessoas privadas de liberdade e adolescentes internados em instituições socioeducativas.

Diferente de outras doenças, a gripe precisa de campanhas de vacinação anual. Isso ocorre por características do próprio vírus, que, aos poucos, naturalmente, modifica-se geneticamente. Dessa forma, é necessário rever, a cada ano, os vírus que mais estão se propagando para adaptar a imunização, que dura de seis a 12 meses. Além disso, trata-se de uma doença que tem um forte impacto na sociedade, com risco de morte muito alto (aproximadamente 650 mil pessoas morrem no mundo por ano, em virtude da influenza A/H1N1).

Gripe H1N1 precisa de campanhas anuais de vacinação — Foto: Prefeitura de Rio Claro/Divulgação Gripe H1N1 precisa de campanhas anuais de vacinação — Foto: Prefeitura de Rio Claro/Divulgação

Gripe H1N1 precisa de campanhas anuais de vacinação — Foto: Prefeitura de Rio Claro/Divulgação

"É um vírus que causa uma síndrome clínica que pode ser muito simples, mas em algumas pessoas que tem um risco maior de ter problemas respiratórios pode ser muito grave, levando a morte", informou Gadelha.

Em Santarém, o Hospital Municipal Alberto Tolentino Sotelo (HMS) enviou à Belém amostras de casos suspeitos para análises laboratoriais. Dois deles deram positivos para a doença. Os pacientes não eram de Santarém. Um homem diagnosticado com H1N1 era de Itaituba e morreu em decorrência da doença e uma mulher que veio da cidade de Faro para se tratar no HMS teve alta do hospital.

Sobre a gripe H1N1

A gripe A, também chamada de gripe H1N1, é uma doença causada pelo vírus Influenza A (H1N1), e ficou amplamente conhecido após a pandemia de 2009. Esse tipo de vírus possui genes do vírus Influenza A humano, suíno e aviário e desencadeia um quadro de gripe mais grave quando comparado a outros tipos.

Os principais sintomas da gripe H1N1 são febre alta, dores musculares, dores de garganta e de cabeça, prostração e tosse seca. Em alguns pacientes, podem ocorrer complicações como bronquite, sinusite, pneumonia, além de problemas extrapulmonares. Por ser uma doença que pode causar a morte, é essencial conhecer as formas de se prevenir contra ela.

Prevenção

Além da vacina, que é a forma mais eficaz de proteção, alguns cuidados podem ser tomados para se prevenir contra a doença:

  • Lavar sempre as mãos, principalmente após tossir e espirrar. Para lavar a mão, deve-se utilizar água e sabão ou, ainda, álcool 70%. Para utilizar o álcool, é importante não estar com as mãos visivelmente sujas;
  • Utilizar lenços descartáveis;
  • Deixar o ambiente sempre ventilado;
  • Cobrir boca e nariz sempre que espirrar ou tossir;
  • Não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como garrafas, copos e talheres;
  • Evitar contato com pessoa doente, evitando abraços, beijos e apertos de mão;
  • Evitar aglomerações em épocas em que o número de casos da doença for alto.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE

Últimas em Cidades

PUBLICIDADE