Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Senado dos EUA derruba declaração de emergência nacional de Trump

Foram 59 votos a favor e 41 contra a legislação, que já havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados. Presidente prometeu que irá vetar a medida, mas veto deve ser bloqueado pelo Congresso.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

O Senado dos Estados Unidos se uniu à Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (14) ao aprovar uma legislação que desafia o presidente norte-americano, Donald Trump, derrubando a declaração de emergência nacional na fronteira sul feita por ele em 15 de fevereiro.

O Senado votou por 59 a 41 votos para derrubar a emergência.

Trump prometeu um veto à medida, instrumento que ainda não usou como presidente. Avalia-se que haja republicanos suficientes no Congresso para bloquear qualquer tentativa de derrubada do veto. Dois terços da Câmara e do Senado são necessários para reverter um veto presidencial.

Declaração de emergência

Uma emergência nacional daria a Trump a permissão para usar fundos federais sem aprovação do Congresso. O presidente queria verba para construir um muro na fronteira com o México, uma de suas principais promessas de campanha.

Entre dezembro e janeiro algumas agências federais dos EUA ficaram paralisadas, sem orçamento, por conta de um impasse entre os congressistas e o presidente sobre o financiamento para o muro. Foi a paralisação mais longa da história do país. No dia 25 de janeiro, Trump assinou um acordo para encerrar a paralisação temporariamente, até 15 de fevereiro, mas a questão da verba para o muro continuou em aberto.

Na noite de 14 de janeiro, o Congresso dos EUA aprovou um novo projeto de lei de orçamento que, ratificado por Trump, evita uma nova paralisação parcial do governo.

Trump queria incluir US$ 5,7 bilhões para a construção do muro fronteiriço na lei, mas os democratas, que têm maioria na Câmara dos Deputados, se recusaram, fazendo o mandatário optar pela declaração de emergência.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE