Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Mais de 16 mil casos de furto de energia foram registrados no oeste do Pará em 2018

Em Santarém, 8.907 ligações irregulares foram encontradas. A Celpa afirma que a prática causa diversos prejuízos para a sociedade.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

A Centrais Elétricas do Pará (Celpa) divulgou levantamento do número de furtos de energia registrados no ano de 2018 no oeste do Pará. A concessionária de energia registrou 16.438 instalações em situação de furto de energia na região. Em Santarém, foram encontradas 8.907 ligações irregulares. Os pontos identificados foram regularizados.

Os furtos de energia vão desde ligações clandestinas até fraudes nos medidores. Ambos os casos são crimes previstos no código penal. O consumidor que for flagrado realizando a prática pode ser enquadrado nos crimes de furto (155), que prevê pena de 1 a 4 anos de reclusão e multa; e no crime de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública (265), que prevê pena de reclusão de 1 a 5 anos, além de multa.

De acordo com a Celpa, a prática traz prejuízos para toda a sociedade. Ela faz com que haja perda de arrecadação de impostos para o Estado, interrupção dos serviços, prejudica a qualidade da distribuição de energia, com oscilações no nível de tensão, aumento no valor da tarifa, além da possibilidade de causar acidentes fatais. As ligações clandestinas podem causar acidentes como incêndios, quedas e choques elétricos.

A concessionária afirma que realiza trabalho efetivo de combate as perdas de energia em todo o Estado para identificar as irregularidades e normalizar o serviço. “Não só na região Oeste, mas em todo o Pará, nós temos equipes que trabalham especificamente no combate a perda. É importante frisar que não é só a concessionária prejudicada, mas toda a sociedade também, porque de acordo com o que determina a legislação nacional do setor elétrico, parte dessa perda energética vem na tarifa e todos nós pagamos”, explicou o executivo da área de recuperação de energia da Celpa, Sidney Simões.

No Pará, foram registrados mais de 230 mil casos de furto de energia no ano de 2018. Segundo a concessionária, aproximadamente um terço de toda a eletricidade comercializada no estado é desviada por meio de ligações irregulares e desvios. A estimativa de perdas em 2018 foi de aproximadamente R$ 40 milhões.

A concessionária orienta a população a denunciar o furto de energia pelo telefone: 0800 091 0196 ou por meio do site da Celpa. Neste tipo de situação, a identidade do denunciante é mantida sob total sigilo.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE