Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Coletes amarelos fazem 9º sábado de protestos na França

Manifestações contra o governo do presidente Emmanuel Macron ocorreram em várias cidades. Em Paris, manifestantes entraram em confronto com a polícia.

 

A polícia de Paris disparou jatos de água e gás lacrimogêneo para afastar coletes amarelos dos arredores do Arco do Triunfo neste sábado (12), o nono de protestos contra o governo de Emmanuel Macron.

Testemunhas relataram à Reuters que a tropa de choque reagiu após ser alvo de pedras e tinta lançadas por manifestantes.

A avenida Champs Élysées, palco de distúrbios nas últimas semanas, foi bloqueada para a circulação de veículos. Pontes sobre o rio Sena foram fechadas preventivamente e edifícios oficiais como o parlamento e o palácio presidencial do Eliseu foram protegidos por barreiras policiais.

  • 'Vamos pra rua porque estamos de saco cheio', diz francês sobre a revolta

Com medo de novos episódios de violência, o Ministério do Interior voltou a aumentar o dispositivo policial, com 80 mil agentes mobilizados em todo o país - 5 mil deles em Paris.

O vice-ministro do Interior, Laurent Nunez, prometeu "tolerância zero" contra os desordeiros, em mensagem do Twitter. "Se houver confusão, aqui como em toda a França, daremos uma resposta extremamente firme", afirmou Nunez, que está em Rouen (a cerca de 150 km de Paris).

Um manifestante usa colete amarelo em ato próximo ao Arco do Triunfo, em Paris, neste sábado (12) — Foto: REUTERS/Christian Hartmann Um manifestante usa colete amarelo em ato próximo ao Arco do Triunfo, em Paris, neste sábado (12) — Foto: REUTERS/Christian Hartmann

Um manifestante usa colete amarelo em ato próximo ao Arco do Triunfo, em Paris, neste sábado (12) — Foto: REUTERS/Christian Hartmann

Apesar do incidente no tradicional cartão postal parisiense, não houve registro de grandes confrontos, ao contrário das semanas anteriores. Em Paris, mais de 50 pessoas foram presas, algumas por transportar objetos que poderiam ser usados como armas.

Vários manifestantes se concentraram em frente ao Ministério de Economia, em Bercy. Milhares também manifestaram pacificamente pela área comercial de Grands Boulevards, perto da região da padaria onde aconteceu uma explosão no início da manhã, deixando mortos e quase 50 feridos.

Policiais se concentram próximos ao Arco do Triunfo, em Paris — Foto: REUTERS/Christian Hartmann Policiais se concentram próximos ao Arco do Triunfo, em Paris — Foto: REUTERS/Christian Hartmann

Policiais se concentram próximos ao Arco do Triunfo, em Paris — Foto: REUTERS/Christian Hartmann

Outras cidades

Coletes amarelos se reúnem na cidade de Bourges, no centro da França, neste sábado (12)  — Foto: Guillaume Souvant / AFP Coletes amarelos se reúnem na cidade de Bourges, no centro da França, neste sábado (12)  — Foto: Guillaume Souvant / AFP

Coletes amarelos se reúnem na cidade de Bourges, no centro da França, neste sábado (12) — Foto: Guillaume Souvant / AFP

Houve também milhares de manifestantes nas cidades de Estrasburgo (no leste), Bourges (no centro) e de Bordeaux e Toulon (no sul da França).

Em Estrasburgo, cerca de 2 mil manifestantes se reuniram em frente ao prédio do Parlamento Europeu e depois marcharam para o centro da cidade, na fronteira do rio Reno com a Alemanha. Os manifestantes atearam fogo nas lixeiras e a polícia disparou algumas granadas de gás lacrimogêneo, mas nenhuma violência ou saques foram relatados.

Coletes Amarelos enfrentam policiais durante protesto em Nantes, na França. — Foto: REUTERS/Stephane Mahe Coletes Amarelos enfrentam policiais durante protesto em Nantes, na França. — Foto: REUTERS/Stephane Mahe

Coletes Amarelos enfrentam policiais durante protesto em Nantes, na França. — Foto: REUTERS/Stephane Mahe

Autoridades de Bourges disseram que cerca de 5mil coletes amarelos ficaram presos na área de manifestação designada, mas outros 500 caminharam para o centro da cidade que estava fora dos limites para os manifestantes.

Muitas empresas em Bourges haviam se alojado para evitar danos de manifestantes e as autoridades removeram móveis de rua e materiais de construção que poderiam ser usados para barricadas.

Manifestantes também foram às ruas em Marselha, no sul da França — Foto: REUTERS/Jean-Paul Pelissier Manifestantes também foram às ruas em Marselha, no sul da França — Foto: REUTERS/Jean-Paul Pelissier

Manifestantes também foram às ruas em Marselha, no sul da França — Foto: REUTERS/Jean-Paul Pelissier

Coletes amarelos em ato em Estrasburgo, na fronteira da França com a Alemanha — Foto: REUTERS/Vincent Kessler Coletes amarelos em ato em Estrasburgo, na fronteira da França com a Alemanha — Foto: REUTERS/Vincent Kessler

Coletes amarelos em ato em Estrasburgo, na fronteira da França com a Alemanha — Foto: REUTERS/Vincent Kessler

Contra a imprensa

De acordo com a Rádio França Internacional (RFI), manifestantes barraram o depósito do diário "La Voix du Nord", em Anzin, e impediram que 20 mil exemplares do dia fossem distribuídos. Cerca de 30 “coletes amarelos” ameaçaram incendiar o caminhão que havia recuperado os exemplares na gráfica e faria a entrega do jornal, conforme o diretor da publicação, Gabriel d’Harcourt. A publicação anunciou que entraria com queixa contra os manifestantes. Em dezembro, 180 mil exemplares do jornal "Ouest-France" foram bloqueados pelos manifestantes, em uma ação semelhante.

Manifestações

O primeiro protesto, em 17 de novembro, reuniu cerca de 290 mil pessoas. Muitas portavam o colete amarelo fluorescente – item de segurança obrigatório nos veículos franceses –, que acabou virando símbolo da nova onda de protestos.

Desde então, a França enfrentou uma série de bloqueios de rodovias, protestos de motoristas de ambulâncias e manifestações de estudantes secundaristas.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE