Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Deputado britânico denuncia ameaça de morte por voto contra o governo no caso Brexit

Nick Boles afirma que recebeu mensagem anônima por e-mail. Deputados pediram reforço da segurança em torno da sede do Parlamento, que votará acordo na semana que vem.

 

O deputado conservador Nick Boles denunciou nesta quarta-feira (9) que foi ameaçado de morte depois de ter votado a favor da emenda que limita o poder financeiro do governo do Reino Unido no caso de um Brexit sem acordo com a União Europeia (UE).

Brexit é como é chamado o processo de saída do Reino Unido do bloco. A tensão em torno dele se acentuou nos últimos dias. O Parlamento do britânico vai votar, na próxima terça-feira (15), o acordo que a premiê Theresa May negociou com a UE. Mas a maioria dos deputados é contrária ao texto. Não está claro o que pode acontecer caso ele seja rejeitado.

Entenda a polêmica sobre o Brexit em 11 perguntas

Boles publicou em sua conta no Twitter uma imagem de um e-mail com a seguinte mensagem: "Seus dias estão contados, traidor! Prepara-se para morrer!".

A mensagem anônima se une à crescente onda de violência verbal em torno do Brexit. Nesta mesma semana, a parlamentar conservadora Anna Soubry foi criticada nas imediações do Parlamento britânico com insultos e acusações de "nazista" por parte de manifestantes de extrema-direita. Assista abaixo:

Aumenta a tensão com a proximidade de votação do acordo do Brexit

Aumenta a tensão com a proximidade de votação do acordo do Brexit

Estes fatos que provocaram a indignação dos deputados. Por isso, 50 deles pediram à polícia de Londres que aumente a segurança em torno de Westminster, a sede do Parlamento, uma solicitação que foi atendida.

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, censurou o "padrão de protestos" contra jornalistas e deputados, algo que qualificou de "francamente intolerável".

A primeira-ministra, Theresa May, também condenou os fatos ao início da sessão semanal de perguntas e respostas "na Câmara dos Comuns, assim como o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn".

"Temos que criar um espaço seguro para o debate político", indicou Corbyn.

Por sua vez, Boles, em entrevista à "BBC Radio 5 Live", insistiu sobre a necessidade de a polícia tomar "passos ativos" na perseguição deste tipo de comportamento.

"Estas ameaças não podem ser normais. Necessitamos de mais gente perseguida e presa por este tipo de atos", ressaltou.

Boles lamentou a "facilidade" com a qual pessoas, de forma anônima, podem enviar ameaças através das redes sociais, e lembrou que embora uma linha escrita possa parecer inofensiva, "é uma ofensa criminosa".


Quer comprar um apartamento num dos centros de Goiânia?

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE