Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Cerca de mil filhotes de quelônios devem ser soltos na natureza na comunidade Correio do Tapará

Número é quase o dobro da quantidade de animais soltos em 2018. Moradores cuidam dos quelônios durante cinco meses em berçário artificial.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Conservação. Essa é a palavra que define o trabalho de moradores da comunidade ribeirinha Correio do Tapará, em Santarém, no oeste do Pará, no engajamento para que mais filhotes de quelônios nasçam em segurança e consigam ser soltos na natureza.

  • Mais de 500 filhotes de quelônios são soltos na natureza em Correio do Tapará

Nascidos em novembro após a desova das fêmeas em setembro e outubro, pouco mais de um mil filhotes de tracajás e tartarugas-da-Amazônia estão em um berçário artificial para ganharem peso e tamanho suficientes antes de começar novos ciclos da vida em liberdade. (Veja o vídeo acima dos animais no berçario)

Soltura de quelônios em Correio do Tapará 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação Soltura de quelônios em Correio do Tapará 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

Soltura de quelônios em Correio do Tapará 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

O berçário foi construído na comunidade por iniciativa dos próprios moradores, que são conhecidos como “guardiões”. Mas, antes de chegarem ao tanque, os coletores monitoram as praias, coletam os ovos nos ninhos e os levam para uma praia artificial até a eclosão. Essa é a forma mais segura que eles encontraram para que os animais nasçam em segurança e fiquem longe de predadores, inclusive o próprio homem.

Em 2018, a praia artificial foi atacada por uma praga (broca) reduzindo a quantidade de filhotes, que chegou a pouco mais de 500. O presidente da associação de moradores de Correio do Tapará, João Mário dos Santos, enfatizou que já está sendo organizada a soltura de 2019, que ocorrerá em abril e maio em um dos lagos da comunidade.

“A gente coletou muito mais que no ano passado, porque o pessoal respeitou mais e a gente ficou mais prevenido do mal [broca] que aconteceu em 2018”, explicou.

Para ampliar a possibilidade de conservação os moradores estão planejando a construção de um espaço maior que permita o crescimento dos quelônios. “Nós estamos com o projeto de um novo tanque bem maior para que eles possam ter um espaço melhor para desenvolver, ter uma alimentação melhor, para preparar para a soltura”, contou João Mário.

Mais de 1000 filhotes de quelônios vão ser soltos em 2019 na comunidade Correio do Tapará — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação Mais de 1000 filhotes de quelônios vão ser soltos em 2019 na comunidade Correio do Tapará — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

Mais de 1000 filhotes de quelônios vão ser soltos em 2019 na comunidade Correio do Tapará — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

Apesar de ser voluntário, o trabalho realizado pelos moradores oferece recompensas que nenhum outro serviço poderia ofertar: a sensação de dever cumprido na proteção de animais que representam a Amazônia.

Correio do Tapará

A comunidade fica na margem do rio Amazonas, cerca de 4 horas de viagem de barco, com saída de Santarém. Além da paisagem que impressiona, Correio do Tapará é daquelas comunidades que encanta por sua iniciativa voluntária em defesa do meio ambiente.

Guardiões dos ovos de quelônios durante a soltura de mais de 500 animais em Correio do Tapará em 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação Guardiões dos ovos de quelônios durante a soltura de mais de 500 animais em Correio do Tapará em 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

Guardiões dos ovos de quelônios durante a soltura de mais de 500 animais em Correio do Tapará em 2018 — Foto: Ascom Sapopema/Divulgação

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE