Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

GERAL

Filho de Mourão ganha cargo no BB de R$ 37,5 mil; pai atribui ao “mérito”

 
 -
O filho do vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), Antonio Hamilton Rossell Mourão, foi nomeado assessor especial do novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes. No novo cargo, o seu salário será de R$ 37,5 mil.

Antonio Hamilton Mourão já era funcionário do Banco. O seu salário anterior, porém, estava na casa dos R$ 12 mil mensais. Com a nova promoção, efetivada apenas um dia depois do empossamento do novo presidente do banco, Rubem Novaes, ele teve um salto nos seus ganhos

A informação foi publicada inicialmente pela coluna Expresso, da Revista Época, e confirmada pelo Metrópoles. Com a nova promoção, o filho do vice-presidente passa a integrar o Programa de Alternativas para Executivos em Transição (PAET), que garante bônus altos para quem ocupou cargo no banco por dois anos.

O Metrópoles entrou em contato com a assessoria de imprensa do Banco do Brasil que destacou a história de Antonio Hamilton no banco e enviou uma fala do novo presidente do banco destacando a função que é esperada do filho de Mourão.

“Antônio é de minha absoluta confiança e foi escolhido para minha assessoria, e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no Banco”, disse Novaes.

O general Mourão afirmou, na sequência, que a escolha do filho foi fruto do “mérito”. “(Meu filho) possui mérito e foi duramente perseguido anteriormente por ser meu filho”, disse o vice.

Posse

Na última segunda-feira (7/1), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossou os presidentes dos três principais bancos públicos: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal (CEF) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Além de Rubem Novaes na presidência do Banco do Brasil, Pedro Guimarães assumiu a presidência da Caixa Econômica Federal e Joaquim Levy, a do BNDES.

Os presidentes anteriores dos bancos públicos foram Marcelo Augusto Dutra Labuto, à frente do Banco do Brasil desde novembro de 2018, quando o então presidente, Paulo Cafarelli, pediu a demissão; e Nelson Antonio de Souza, que dirigia a Caixa desde abril. O ex-ministro do Planejamento Dyogo Oliveira estava à frente do BNDES desde abril.


Metrópoles

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE