Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

Pegação ou amor eterno? Veja como o discurso sertanejo foi da balada ao namoro de pijama

Duplas que se jogaram na festa do início da década investem cada vez mais na narrativa do pegador arrependido , como no novo DVD dos ex-salientes Henrique e Juliano; veja vídeo.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

O passado pode assombrar até os amantes que mais parecem perfeitos...

Mas há uma segunda chance? O cara que se perdeu atrás de pegação na balada pode se converter ao amor fiel e caseiro? Essa é a narrativa dos sertanejos brasileiros nesta década. Olha como os tempos mudaram:

  • O cara que se jogava na banheira de espuma e no champagne com cereja do motel agora se contenta com um beijo sem querer, só de raspão.
  • O menino ousado que recebia ligações da gata para rolar o "tchetchererê" ficou fortão, mas pega o telefone agora é para chorar com a ex.
  • O cara que via uma menina linda no sábado na balada e já começava a cantar "ai, se eu te pego' agora enxerga a tristeza por trás da maquiagem de sua amada.

É como se o personagem das músicas fosse o mesmo de anos atrás, admitindo o passado de exageros, mas em busca de redenção. O novo DVD de Henrique e Juliano, "Menos é mais", vai fundo nessa virada. A faixa-título é assim:

"Cancela a agenda do fim de semana, hoje o look do dia é pijama... Se tô com você, menos é mais".

A dupla do Tocantins foi aos extremos. Começou soltinha na noite, em "Não tô valendo nada", e quando se converteu à monogamia até levou o G1 a questionar a 'insanidade' do ciúme de 'Vidinha de balada' (2017). Mas não são os únicos. Veja abaixo o que eles já fizeram nos DVDs passados:

Eu sei o que vocês fizeram nos DVDs passados

Eu sei o que vocês fizeram nos DVDs passados

Desde que os colegas Jorge e Mateus emplacaram "Sosseguei" (2015) que a narrativa do 'Ai, se eu te pego" (2011) deu lugar à onda "pós-pegação" em que os sertanejos surfam hoje. Mas Juliano diz ao G1 que não há estratégia entre a pegação e o "menos é mais":

"Eu e meu irmão nunca escolhemos música pelo momento [do mercado]. Escolhemos pelo que arrepia a gente. Muita gente fala: 'Mas vocês começaram com música de balada'. Realmente começamos com 'Não to valendo nada', 'Mistura louca'... Mas lá também já tinham músicas apaixonadas", pondera.

Será que é o público, então, que agora está mais propenso ao romantismo e faz com que as duplas destaquem os "modões de amor" do repertório para as rádios e streaming?

"A gente costuma pensar igual à galera da nossa idade", diz o cantor de 28 anos. "A gente canta a realidade, coisas pelas quais as pessoas estão passando, ou a gente mesmo passa".

"Vidinha de balada" veio um ano depois que as sertanejas estouraram cobrando mais consideração de seus amantes em hits do feminejo. Mas Juliano sempre desvia do papo de mercado para a história pessoal.

Em novembro, Henrique anunciou que espera sua 1ª filha com a namorada. Juliano também namora firme.

"A gente está mais quieto já tem um tempo. Eu que sempre gostei de ir para a noite, de sair... Ultimamente a gente está bem quietinho, construindo casa na fazenda. Meu irmão também há tempo não gosta de ir para a rua. A gente fica tanto na estrada em show, que quando volta quer ficar em casa", diz Juliano.

Ou seja: a história de acabar com a "Vidinha de balada" não está só no palco, garante Juliano.

 — Foto: Divulgação / Arte: Roberta Jaworski  — Foto: Divulgação / Arte: Roberta Jaworski

— Foto: Divulgação / Arte: Roberta Jaworski

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE