Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Encontro discute assistência de saúde a gestantes e bebês nas maternidades do oeste do PA

A coordenação estadual de saúde da criança encontrou falhas que precisam ser corrigidas.

 

A assistência de saúde oferecida a gestantes e bebês foi discutida durante um encontro que reuniu profissionais que coordenam maternidades e centros especializados de atendimento à mulher em Santarém e em cidades do oeste do Pará.

Foram apresentados dados do monitoramento da Rede Cegonha, uma estratégia lançada em 2011 em todo o país para ampliar a assistência integral à saúde de mães e bebês desde o pré-natal até os primeiros dois anos de vida.

A coordenadora estadual de saúde da criança, Ana Cristina Guzzo, destacou falhas que precisam ser corrigidas pelas maternidades. Será necessário que cada uma construa um plano de ação e cumpra recomendações para melhorias.

“A questão da área física, das condições físicas, como elas [as gestantes] estão expostas, e a questão de equipamentos. Isso foi um ponto frágil de grande parte das maternidades. Outro ponto é a questão das boas práticas”, afirma Guzzo.

Reduzir a mortalidade de crianças também é uma das principais metas das políticas para a infância em todos os municípios. A atenção se concentra, principalmente, no primeiro ano de vida, faixa em que ocorre a maior parte dos óbitos.

Casa da Saúde da Mulher em Santarém — Foto: Adonias Silva/G1 Casa da Saúde da Mulher em Santarém — Foto: Adonias Silva/G1

Casa da Saúde da Mulher em Santarém — Foto: Adonias Silva/G1

No Hospital Municipal de Santarém (HMS), que acolhe gestantes de toda a região, o atendimento vem sendo melhorado, segundo a enfermeira Alzenira Sarmento, que atua no setor de obstetrícia da unidade.

“A gente vem adequando nosso serviço dos partos e também o hospital municipal junto com a coordenação do IPG vem fazendo as mudanças, as transformações e adequando as diretrizes dentro do hospital”, diz Alzenira.

Desde dezembro de 2017, grávidas em trabalho de parto passaram a ter atendimento 24h, com entrada e acolhimento exclusivo pela Casa de Saúde da Mulher. Segundo a Secretaria de Saúde, são atendidas em média 30 gestantes por dia.

A enfermeira Claudia Valena coordena a Casa de Saúde da Mulher em Monte Alegre e aposta em um atendimento eficaz para as gestantes. “Nós precisamos adequar nossas maternidades, adequar nossos serviços para ter um acolhimento melhor”, diz.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE

Últimas em Cidades

PUBLICIDADE