Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Vladimir Putin repudia uso da força para '''mudar situação política''' na Venezuela

Presidente da Rússia se reuniu com Nicolás Maduro em Moscou para tentar fechar um acordo bilateral.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Em reunião com Nicolás Maduro nesta terça-feira (5), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, repudiou "qualquer tentativa de mudar a situação política na Venezuela pelo uso da força", além de ações de "clara natureza terrorista" contra o regime.

"Sabemos que a situação na Venezuela continua complicada. Apoiamos os esforços para conseguir o entendimento na sociedade e a normalização das relações com a oposição", afirmou Putin.

Maduro agradeceu o apoio de Putin, e disse que a Venezuela enfrentou "várias ameaças e agressões". Eles não detalharam quais seriam as ações terroristas mencionadas.

Em agosto, um discurso de Maduro foi interrompido por explosões de drones. O regime venezuelano falou em terrorismo acusou a oposição e nos Estados Unidos. Em resposta, o país norte-americano negou envolvimento e levantaram suspeitas sobre a autenticidade do ataque.

Trump admitiu 'opções fortes' na Venezuela

O presidente dos EUA, Donald Trump, fala a jornalistas no jardim da Casa Branca — Foto: Reuters/Jonathan Ernst O presidente dos EUA, Donald Trump, fala a jornalistas no jardim da Casa Branca — Foto: Reuters/Jonathan Ernst

O presidente dos EUA, Donald Trump, fala a jornalistas no jardim da Casa Branca — Foto: Reuters/Jonathan Ernst

As declarações de Putin confrontam a visão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Em setembro, o norte-americano chamou a situação venezuelana de "desastre" e admitiu ter opções "fortes e menos fortes" para solucionar a crise no regime Maduro. Um mês antes, Trump havia falado sobre a possibilidade de intervir militarmente na Venezuela.

  • Análise: os riscos de uma intervenção militar na Venezuela

Dias antes da visita a Putin, Maduro se encontrou com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan em Caracas para assinar acordos de cooperação. Os dois presidentes também adotaram uma postura de apoio mútuo na reunião.

Pauta econômica

Nicolás Maduro mostra nota de bolívar soberano, moeda que passa a valer na Venezuela nesta segunda-feira (20) — Foto: Miraflores Palace/Handout via REUTERS Nicolás Maduro mostra nota de bolívar soberano, moeda que passa a valer na Venezuela nesta segunda-feira (20) — Foto: Miraflores Palace/Handout via REUTERS

Nicolás Maduro mostra nota de bolívar soberano, moeda que passa a valer na Venezuela nesta segunda-feira (20) — Foto: Miraflores Palace/Handout via REUTERS

Ambos os presidentes também conversaram sobre a situação econômica da Venezuela, onde a inflação deve chegar a oito dígitos em 2019. A ideia do encontro é fechar um acordo bilateral após, na avaliação de Putin, os dois países passarem por "tempos muitos difíceis com significante redução nos negócios mútuos".

"Eu acho que encontramos o ponto que nos ajuda a sobreviver e então lançar um programa econômico completo e extensivo que coopere totalmente com as relações entre Rússia e Venezuela", respondeu Maduro. Os detalhes do tratado ainda não foram divulgados pelos dois governos.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, em reunião com Vladimir Putin — Foto: Maxim Shemetov/Reuters Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, em reunião com Vladimir Putin — Foto: Maxim Shemetov/Reuters

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, em reunião com Vladimir Putin — Foto: Maxim Shemetov/Reuters

O país sul-americano vive uma crise humanitária decorrente da violenta crise política e do colapso econômico. O número de refugiados e migrantes que deixaram a Venezuela chega a 3 milhões em todo o mundo, informou a Organização das Nações Unidas (ONU) no mês passado.

A ONU liberou, no fim de novembro, um fundo de emergência de US$ 9,2 milhões – cerca de R$ 35,5 milhões – para ajuda humanitária à Venezuela, a primeira assistência destinada ao país.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE