Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

Euclides da Cunha vai ser o homenageado da Flip 2019

Autor de Os sertões vai ser lembrado na Festa Literária Internacional de Paraty Flip , que acontece de 10 a 14 de julho.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

A organização da 17ª Festa Literária Internacinal de Paraty (Flip) anunciou nesta sexta-feira (9) que o jornalista e escritor Euclides da Cunha (1866-1909), autor de "Os sertões", vai ser o homenageado da edição 2019 do evento, que acontece de 10 a 14 de julho.

"Os sertões pode ser considerado um dos primeiros clássicos brasileiros de não ficção. Mistura jornalismo, geografia, filosofia, teorias sociais e científicas – muitas delas ultrapassadas – para falar de um país em transição. O país tornava-se república no auge do determinismo", afirmou em comunicado a curadora do evento, Fernanda Diamant.

"A obra mudou o entendimento que se tinha sobre o interior do país e do homem sertanejo. Além de ser grande literatura do ponto de vista da forma, ela faz críticas morais, políticas e sociais altamente pertinentes no Brasil de hoje. Mais que tudo, mostra a transformação existencial de um homem que entra contato com uma realidade desconhecida e precisa reorganizar seus valores."

"Os sertões" foi publicado em 1902 e é resultado da cobertura de Euclides da revolta de Canudos, que aconteceu no interior da Bahia entre 1896 e 1897. O escritor foi enviado ao local como repórter pelo jornal "O Estado de S. Paulo". Lá, registrou o conflito entre o exército brasileiro e o movimento liderado por Antônio Conselheiro (1830-1897).

O livro divide-se em três partes:

  1. "A terra"
  2. "O homem"
  3. "A luta"

"A obra do Euclides da Cunha é pioneira na criação a partir da leitura e da interpretação do território, questão que nortearia os modernistas ao longo do século 20", disse em nota o arquiteto Mauro Munhoz, responsável pela direção-geral e artística do programa principal da Flip.

"A sua ligação com o jornalismo compõe também um elo importante com a Festa Literária, que sempre teve uma conexão forte com o jornalismo e a literatura de não ficção, gênero que tem trazido obras de grande valor cultural e intelectual. É essa conexão entre o território e a literatura que nos permite inovar todos os anos, mantendo-nos conectados às novas demandas culturais, artísticas e intelectuais do país, como o próprio autor ao seu tempo."

Além de jornalista, Euclides da Cunha foi engenheiro, tendo trabalhado na construção da Estrada de Ferro Central do Brasil. Também atuou no exército. Foi casado com Ana Emília Ribeiro, com quem teve três filhos.

Quando tinha 33 anos , Ana iniciou um caso com o militar Dilermando de Assis, que tinha 17. Os dois chegaram a ter dois filhos, ambos registrados pelo autor de "Os sertões", que acreditava ser ele o pai. Em 1909, ao saber do relacionamento extraconjugal da esposa, Euclides tentou assassinar Dilermando, mas acabou sendo morto por ele. Tinha 43 anos de idade.

Essa história foi retratada em "Desejo", exibida pela TV Globo em 1990. Na minissérie, Tarcísio Meira interpreta Euclides da Cunha. O papel de Ana Ribeiro foi de Vera Fischer, e o de Dilermando de Assis, de Guilherme Fontes.

Veja, abaixo, os homenageados da Flip:

  • 2003 – Vinicius de Moraes
  • 2004 – Guimarães Rosa
  • 2005 – Clarice Lispector
  • 2006 – Jorge Amado
  • 2007 – Nelson Rodrigues
  • 2008 – Machado de Assis
  • 2009 – Manuel Bandeira
  • 2010 – Gilberto Freiyre
  • 2011 – Oswald de Andrade
  • 2012 – Carlos Drummond de Andrade
  • 2013 – Graciliano Ramos
  • 2014 – Millôr Fernandes
  • 2015 – Mário de Andrade
  • 2016 – Ana Cristina Cesar
  • 2017 – Lima Barreto
  • 2018 – Hilda Hilst

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE