Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Depois do caos e da violência, começa apuração dos votos no Afeganistão

Ataques neste sábado mataram 36 e deixaram 100 civis feridos; novo parlamento será conhecido em 10 de novembro.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

O Afeganistão iniciou a apuração dos votos das eleições legislativas deste sábado (20), marcadas pela violência, que deixou 36 mortos, e pelo caos na organização, que impediu que muitos eleitores se expressassem.

A votação, no entanto, ainda não terminou. Cerca de 350 colégios eleitorais não puderam abrir por causa de falhas (listas de eleitores incorretas, falta de mesários, terminais biométricos com defeito), e irão funcionar no domingo, que foi declarado feriado.

A votação em Kandahar (sul) foi adiada para o próximo sábado, depois que um ataque do Talibã dizimou a maioria do pessoal da segurança provincial.

Eleitora vota no Afeganistão — Foto: Reuters Eleitora vota no Afeganistão — Foto: Reuters

Eleitora vota no Afeganistão — Foto: Reuters

A composição do novo parlamento será conhecida no dia 10 de novembro.

O vice-ministro do Interior, Akhtar Mohammad Ibrahimi, disse em coletiva de imprensa que 36 pessoas morreram, sendo 27 civis, e que 193 incidentes foram registrados em todo o país.

Cerca de 100 civis também foram feridos em ataques armados em cinco locais de votação, e houve mais de 70 ataques de foguetes e um número ainda desconhecido de explosões de artefatos caseiros.

No final do dia, houve um atentado suicida em Cabul, que deixou pelo menos 15 mortos.

No entanto, Ibrahimi observou com satisfação que, de acordo com as investigações, houve "50% menos ataques do que nas eleições presidenciais de 2014", nas quais "foram registrados mais de 400 incidentes" violentos.

O porta-voz do Talibã Zabihullah Mujahid, que, pela manhã, voltou a pedir aos cidadãos que evitassem "participar deste processo teatral, para protegerem suas próprias vidas", disse que o grupo realizou "407 ataques" e, segundo ele, fez a eleição fracassar.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE