Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Oficina de artesanato em argila permite troca de saberes entre artesãos e estudantes

Projeto tem a finalidade de promover o desenvolvimento de técnicas que visam a geração de renda.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Iniciou na tarde desta segunda-feira (8) nas dependências do Centro Cultural João Fona (CCJF), a 4ª Oficina de Artesanato em argila em Santarém, oeste paraense. A atividade é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) e promove a troca de saberes entre artesãos, estudantes e pessoas com afinidades na arte da cerâmica das áreas urbana e rural.

A artesã Edineuza Farias, da comunidade de Bom Futuro, região de rios do Lago Grande, participa pela primeira vez da oficina e está feliz com a opoirtunidade de aprender técnicas que vão aprimorar o seu trabalho. "A arte do artesanato em argila na minha família passa de geração a geração. Eu trabalho com a barro há quatorze anos. Aprender novas técnicas com o mestre ceramista e poder expor o nosso conhecimento é maravilhoso. Na comunidade, produzimos mais peças utilitárias como as panelas de barro. A nossa produção tem grande aceitação tanto em Santarém quanto em Juruti", disse a artesã.

Na facilitação da oficina, o mestre ceramista santareno Elves de Sousa Costa, explicou que na primeira atividade, foi trabalhada a parte teórica com explicações desde a origem da argila à queimação das peças e pintura, que será feita na técnica do uso da jutaícica.

"É um tipo de resina natural extraída da árvore Jutaí, planta nativa da floresta Amazônica. Depois seguimos a visitação nas salas das peças do Centro Cultural, a qual faremos as réplicas, urnas e estatuetas e vamos incluir cuias, peças utilitárias. E iniciamos o trabalho de limpeza da argila e moldagem das primeiras peças", destacou o ceramista.

Segundo a chefe da Seção de Atendimento ao Turista do CCJF, Patrícia Chaves, desde a primeira oficina com a matéria-prima argila, popularmente conhecida na Amazônia como barro, a procura é grandiosa em aprender. “Essa é a quarta oficina promovida nas dependências do Centro Cultural, em cada atividade as peças são diferentes, mas adotamos a linhagem da cerâmica Tapajônica. As atividades iniciaram na tarde desta segunda, e prosseguem nos turnos da manhã e tarde. Após o término da oficina as peças serão expostas", disse.

A conclusão da oficina de artesanato está prevista para ocorrer em 17 de outubro. O resultado será exibido no período de 18 a 31 de outubro na Galeria de Exposições Temporárias do Centro Cultural João Fona. Na exposição, as peças serão comercializadas nos valores de R$ 5 a R$ 300.

O Centro Cultural João Fona (CCJF) está localizado na Praça Barão de Santarém, com frente para a Rua Adriano Pimentel, na orla da cidade.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE