Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

GERAL

Alimentação oral de Bolsonaro é suspensa devido à distensão abdominal

 
O Hospital Albert Einstein divulgou, na manhã desta quarta-feira (12/9), novo boletim sobre estado de saúde do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL). De acordo com a avaliação médica, o quadro do deputado federal “continua estável”. Ele “está sem febre ou outros sinais de infecção”.

No entanto, a alimentação oral foi suspensa momentaneamente “devido ao surgimento de uma distensão abdominal”. Diante disso, o presidenciável volta a receber “alimentação parenteral (endovenosa) exclusiva até a próxima avaliação”. Segundo a nota médica, os exames laboratoriais permanecem estáveis.

Desde o dia 7 de setembro, quando foi internado no hospital em São Paulo, Bolsonaro tem apresentado constante melhora no processo de recuperação. Na última terça-feira (11), ele saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e passou para a unidade de cuidados semi-intensivos, onde permanece até o momento.

Na quinta-feira (6), o postulante ao Planalto foi esfaqueado no meio de uma multidão de apoiadores durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG). O responsável pelo atentado é Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos. Após atacar o presidenciável, o agressor foi contido e preso em flagrante.

Depois do ataque, o político foi levado para a Santa Casa de Misericórdia do município mineiro. Lá, passou por procedimento cirúrgico na região abdominal, onde sofreu a lesão. Em seguida, Bolsonaro foi encaminhado para o Hospital Albert Einstein para dar continuidade ao tratamento. Ele ainda deve passar por outra cirurgia de grande porte para reconstrução do trânsito intestinal.


Metrópoles

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE