Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Cidade das Mangueiras com poucas áreas arborizadas

 
 - O Bosque Rodrigues Alves, no bairro do Marco, é hoje um dos poucos espaços naturais de lazer oferecidos para os belenenses  Foto: Ricardo Aamanajás
O Bosque Rodrigues Alves, no bairro do Marco, é hoje um dos poucos espaços naturais de lazer oferecidos para os belenenses Foto: Ricardo Aamanajás

Belém do Pará, capital do segundo maior estado do país e muito conhecida por seus rios, ilhas e matas, chegando a ganhar o título de Portal da Amazônia, por servir de entrada à região. Apesar de realmente se localizar à beira da Baía do Guajará e ser rodeada por bosques e florestas, dentro dos limites da cidade, no entanto, o verde está cada mais cinza.

“Parece que quanto mais os anos passam, menos árvores têm na cidade”, critica Dirce Figueiredo, 50, enquanto passeava pela Praça da República, uma das poucas ainda arborizadas da cidade. “As nossas mangueiras estão ficando velhas e ninguém está cuidando delas. É preciso mais empenho das autoridades e também do povo”, comenta.

Moradora da avenida Magalhães Barata, ela diz que há árvores sem manutenção e em aparente definhamento perto de casa. “Sinto falta de mais lugares agradáveis e arborizados, em que a gente possa passear, andar de bicicleta e ter momentos de lazer. Às vezes parece que a gente só vive para trabalhar”, lamenta.

O consultor de moda Tafarel Silva, 26, também reclama, não apenas da falta de espaços verdes na cidade, mas também da falta de manutenção dos que já existem. “A gente precisa de mais. Em certos pontos da cidade, ver uma árvore é quase uma surpresa”, diz.

Tafarel cita a avenida Augusto Montenegro como exemplo. Após a área conhecida como Mata da Marinha, não há ao longo da via nenhum espaço arborizado para a população. “E os que têm não são preservados. São espaços importantes, não só para o meio ambiente, mas para a própria população, para servir de abrigo, de lazer, passeio. Tudo isso”, completa.

URBANISMO

A conselheira federal do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Alice Rosas, explica que área verde, para o urbanismo, são áreas com cobertura vegetal, sem pavimentação e com arborização. Ela esclarece que áreas com grama sem arborização não são consideradas áreas verdes, como é o caso de algumas praças de Belém, que possuem mais pavimentação e monumentos do que árvores. Já como bons exemplos de espaços verdes da capital paraense, a arquiteta cita a Praça da República, recém-reformada, e a Praça Batista Campos.

A especialista garante que o papel da arborização é fundamental para o meio urbano, que costuma ser muito pavimentado, cheio de edificações e reflexão de calor. “O papel principal da árvore é amenizar o microclima das áreas, sombrear o passeio dos pedestres, no caso da arborização viária, e gerar áreas permeáveis”, esclarece, citando os recuos frontais das casas e quintais.

Rosas orienta que as pessoas evitem pavimentar seus quintais e que preservem as árvores e plantas das áreas. “Isso ajuda na drenagem urbana e na manutenção de um microclima agradável, principalmente em Belém, onde os índices pluviométrico são altos e as temperaturas elevadas”.

PARA ENTENDER - COMUNIDADE

- Segundo a arquiteta Alice Rosas, não é difícil transformar uma área abandonada em um espaço verde de lazer.

-  Ela diz que a própria população pode se organizar e buscar orientação técnica da Prefeitura ou de um profissional da área de arquitetura ou engenharia florestal.

PUBLICIDADE
Saúde e Bem Estar Limonada negra - poção ou milagre?
Notícias Upskirting: mulher protesta contra homens que levantam saias em metrôs
Saúde e Bem Estar Como você mantém bananas frescas por mais tempo? A solução está bem na sua cozinha
Saúde e Bem Estar Como ter as mãos lindas e suaves em apenas 60 segundos
Ciência Informações incríveis que demonstram que temos um corpo cheio de surpresas
Saúde e Bem Estar Truques fáceis para se livrar do peso acumulado nos feriados
Comportamento Padrões de beleza feminina em 15 diferentes países. Brasileiros são mais exigentes.
Variedades Apenas 3% da população mundial tem a marca X em ambas as mãos
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE